Perdas Sensoriais

13 de Setembro, 2019 0 Por Planetadosavos

É certo e sabido que com o passar dos anos vamos perdendo certas capacidades, nomeadamente a nível sensorial. 

Só que as perdas sensoriais, para os nossos idosos, são consideradas como um fator de risco, uma vez que afetam o seu dia a dia. 

Hoje abordaremos as duas principais perdas sensoriais que afetam os idosos: a visão e a audição. 

Visão

Fonte: Tecnosenior

Sabia que…

Estima-se que cerca de 75% dos idosos usam óculos, uma vez que as mudanças na retina e no sistema nervoso do olho começam a manifestar-se entre os 55 e os 65 anos. 

Problemas na visão

  • Deteorização da acuidade visual: incapacidade de discriminar com exactidão estímulos visuais e focar os detalhes.
  • Presbiopia: limitação na capacidade de ver com exactidão objetos que estão próximos.
  • Encadeamento: efeito de cegueira provocado pela luz direta. 
  • Redução do campo visual: limite na capacidade para ver pelo extremo do olho
  • Cataratas: redução da quantidade de luz que chega à retina, o cristalino do olho torna-se “amarelo” e em casos severos chega mesmo a torna-se opaco. 
  • Glaucoma: aumento da pressão intraocular provocando o atrofiamento do nervo, degeneração da retina e anomalias no campo visual. 
  • Limitação da mobilidade ocular: o globo ocular não se move tão bem como nos mais jovens, logo há a necessidade de fazer movimentos com a cabeça.

O que podemos fazer:

  • Utilizar luzes fortes indiretas;
  • Não usar luzes florescentes;
  • Usar cores vivas e que não contrastam;
  • Usar uma lanterna nos espaços com pouca luz;
  • Examinar o campo visual e o espaço envolvente;
  • Visitas regulares ao oftamologista.
  •  

Audição

Fonte: O Liberal
  • Presbiacusia: perda de audição com a idade. Pode ser provocado por diversos fatores: excesso de cera, artrite nos ossos dos ouvidos, alterações degenerativas da cóclea, entre outros…

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.

O que podemos fazer:

  • Falar sempre cara a cara;
  • Falar de modo claro, espaçado e sem gritar;
  • Repetir sempre que necessário as frases não compreendidas num tom grave;
  • Evitar o ruído de fundo;
  • Não tapar a boca;
  • Acompanhar a fala com gestos significativos;
  • Acompanhamento médico;
  • Utilizar aparelhos auditivos. 

Não podemos, nem devemos ter vergonha pelas perdas sensoriais, quer sejam a nível da visão, quer sejam na audição. É sim necessário sermos constantemente avaliados e acompanhados por médicos especializados a fim de evitarmos extremos e tratamentos tardios.