Como envelhecemos?

10 de Dezembro, 2019 0 Por Planetadosavos

Desde o dia em que nascemos que o nosso processo de envelhecimento inicia-se. Ao longo da nossa vida começamos a sofrer perdas em importantes sistemas e tecidos. Hoje, o Planeta dos Avós, dá a conhecer um pouco da forma como envelhecemos. 

30 Anos

Fonte: Strength Conditioning Science

 

Músculos

A partir dos trinta anos tende-se a ganhar mais gordura do que massa muscular. 

35 Anos

Fonte: Fertunina.it

Fertilidade

Sim, ainda há muitas mulheres a serem mais depois dos 40 anos. Mas é a partir desta idade que o número e a qualidade dos óvulos começam a diminuir. 

Fonte: Estudo Prático

Ossos

Uma das principais queixas dos idosos são as dores nos ossos. Pois é, estudos indicam que é a partir dos 35 anos que a massa óssea começa-se a perde a um ritmo de 1%. 

40 Anos

Fonte: G1-Globo

Dentes

O “envelhecimento” a nível dental inicia-se com a diminuição da produção de saliva. Com isto, os dentes e as gengivas tornam-se mais vulneráveis às bactérias. 

Fonte: Jornal SOL

Olhos

Já aqui abordamos os problemas que atinge a visão na terceira idade: aqui

Várias são as doenças a nível ocular, uma vez que os músculos começam a atrofiar. 

50 Anos

Fonte: Anatomia Humana

Rins

Nos rins, as células que filtram os desperdícios sanguíneos começam a diminuir. 

55 Anos

Fonte: Making the Web

Intestinos

Para que os intestinos tenham um bom funcionamento é necessário um equilíbrio entre as bactérias. A partir dos 55 anos, esse equilíbrio começa a diminuir. 

60 Anos

Fonte: DN Life

Ouvidos

Já repararam que mais de metade dos idosos perderam a audição devido à morte das células do ouvido interno, certo?!

65 Anos

Fonte: Pinterest

Coração

O coração é composto por veias e artérias, e são estas que vão perdendo a sua elasticidades, bem como há uma diminuição do número de células. 

70 Anos

Fonte: UOL Notícias

Cabeça

A capacidade cognitiva torna-se mais lenta. 

O envelhecimento é um processo gradual. Não há nenhuma fórmula. É importante salientar que varia de indivíduo para indivíduo. Um sintoma pode acentuar mais em determinada pessoa e noutra não. É importante um acompanhamento médico, seja médico de família ou em cada especialidade. A prevenção é sempre o melhor remédio!!